sábado, 27 de agosto de 2011

Ciência: No céu, o diamante!


Imagem captada pelo Hubble mostra anãs brancas, que são o que resta depois que uma estrela como o Sol esgota a maioria de sua energia. O planeta de diamante recém descoberto é uma anã branca (NASA/DIVULGAÇÃO/AFP)
Um brilho no céu chamou a atenção dos astrônomos, que documentaram o que acreditam ser o primeiro pequeno planeta feito de diamantes, a cerca de 4.000 anos-luz de distância da Terra, de acordo com um estudo publicado nesta semana.
 
A descoberta dessa pequena joia, com grande velocidade de rotação e que possui mais massa do que o gigante gasoso Júpiter, foi feita por uma equipe internacional de pesquisadores que publicaram seus achados na revista Science.
 
O planeta de diamante já foi uma estrela maior, mas agora é uma anã branca, já que perdeu a maior parte de sua matéria o pulsar, uma pequena estrela de nêutron de cerca de 20 km de diâmetro, que a orbita.
 
Uma anã branca é o que resta depois que uma estrela como o Sol esgota a maior parte de sua energia, enquanto um pulsar é uma estrela de nêutrons com um intenso campo magnético que envia pulsos de alta radiação que aparecem como se fossem luzes piscando.
 
Terra
Acredita-se que o planeta tenha cerca de 60 mil km de diâmetro, ou cerca de cinco vezes o diâmetro da Terra, e orbita o pulsar a cada duas horas e 10 minutos.
 
“Este remanescente deve ser em grande parte de carbono e oxigênio, porque uma estrela feita de elementos mais leves, como hidrogênio e hélio, seria grande demais para caber nos tempos de órbita medidos”, explicou o pesquisador Michael Keith.
 
Os astrônomos detectaram o estranho casal com o radiotelescópio Parkes, do Australian Commonwealth Scientific and Industrial Research Organization (CSIRO).
 
Números
60 MIL QUILÔMETROS de diâmetro é quanto os cientistas acreditam que o novo planeta mede. Isso equivale a cinco vezes o diâmetro da Terra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário